ESOCIAL

Empresas precisam correr para se adequar à nova plataforma de dados trabalhistas do Governo Federal.

Até janeiro de 2018, todas as empresas que atuam no país deverão estar integradas ao eSocial. Trata-se de uma plataforma que reunirá informações trabalhistas, previdenciárias, fiscais e tributárias relativas à contratação de funcionários. Esses dados devem ser enviados para vários órgãos do governo federal, mas serão centralizados no eSocial.

A ação conjunta de entidades do governo federal, como Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Caixa, ministérios da Previdência e do Planejamento, Secretaria da Receita Federal e Ministério do Trabalho e Emprego, promete uma quase revolução ao integrar os sistemas das empresas ao ambiente nacional do eSocial. Essa plataforma substituirá a necessidade de envio de declarações, formulários, termos e documentos impressos relativos às relações de trabalho. A transmissão será automatizada e padronizada.

“O eSocial vai integrar RH, contabilidade, gestão tributária e produção. Todas essas áreas precisam trabalhar em conjunto para atender ao que está sendo pedido,” afirma Clóvis Peres, da Receita Federal. Também será preciso organizar a empresa e mudar a cultura para seguir a legislação, porque o eSocial não aceita acordos informais de trabalho. 

O caminho, certamente, não será fácil, mas o projeto do eSocial traz benefícios. O mais direto será o fato de facilitar o trabalho dos órgãos de fiscalização, que terão mais condições de analisar e cruzar informações. “Do ponto de vista das organizações trabalhistas de forma transparente,” diz Paulo Sergio João, professor de direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP).

EM QUE A HUMANUS PODE AJUDAR?

  • Saneamento de dados;
  • Análise de aderência às normas trabalhistas e previdenciárias;
  • Revisão de processos e políticas de administração de pessoal;
  • Estrutura e governança de RH por meio do seu software;
  • Roadmap de implementação.

O Humanus possui módulos de Gestão de RH no qual complementam não só o eSocial mas toda a gestão da área. Com seus módulos como Medicina e Segurança do Trabalho, Processos Trabalhistas, a gestão do eSocial fica mais prática e eficiente para gerir toda esta demanda, com isso, o cliente pode internalizar o controle de algumas áreas como SST e Jurídico/Trabalhista.

Efetuamos testes de implementação no “laboratório” eSocial da Humanus e conseguimos assegurar uma redução de tempo e investimento considerável, alcançamos com qualidade uma redução de mais de 40% na validação junto de nossos clientes, pois a nossa solução ficou realmente prática e amigável.

Clique aqui e baixe nossa apresentação completa sobre o assunto! 

SEUS PRÓXIMOS PASSOS: 

As empresas precisam de planejamento e atenção a pontos cruciais para evitar atropelos na implementação. O guia abaixo pode ajudar!

01. LEIA OS MANUAIS – Baixe e estude a versão 2.1 do Manual de Orientação do eSocial e do Manual de Orientação do Desenvolvedor. Eles estão disponíveis em www.esocial.gov.br/leiautes.aspx e orientam sobre as novas regras.

02. FAÇA UM DIAGNÓSTICO - Reúna as áreas que serão impactadas pelo eSocial para saber: em que fase a empresa está, como são os sistemas, que tipo de problemas pode surgir. Essa fase pode levar de seis a 12 semanas.

03. PREPARE OS SISTEMAS – Elabore um plano de ação que envolva as áreas afetadas, a TI e os desenvolvedores dos sistemas implantados em sua empresa. Essa etapa pode levar, em média, de seis a 12 semanas.

04. AJUSTE SUAS PRÁTICAS – O eSocial exige o cumprimento da CLT e demais regulamentações trabalhistas. Ele não atende “acordos” informais, como férias fracionadas. Possivelmente, as empresas terão de se ajustar à legislação.

05. CONFIRA OS DADOS – Coloque os sistemas para gerar relatórios, fazer cruzamentos e análises. Certifique-se de que estejam aptos a gerar os dados exigidos pela Receita ou o Ministério do Trabalho. Fase para um mês.

Clique aqui e baixe o arquivo "Se Questione" utilizado em nossas palestras!